Hospital São Lucas Copacabana realiza evento sobre trauma

Equipes de atendimento pré-hospitalar, socorristas e bombeiros reuniram-se no Hotel Windsor Flórida, no Flamengo, zona sul do Rio de Janeiro, no último dia 21, para trocar conhecimento sobre atendimento, diagnóstico e tratamento de vítimas de trauma. Realizada pelo Hospital São Lucas Copacabana e pelo Complexo Hospitalar de Niterói (CHN), a Jornada Internacional de Trauma reuniu grandes especialistas sobre o assunto, que discutiram técnicas, protocolos, inovações e humanização no cuidado ao paciente.

Ao abrir o evento com o tema Trauma Centers Consultation & Verification in Latin America and the Caribbean, a dra. Maria Fernanda Jimenez, presidente da Associação Colombiana de Trauma, trouxe dados alarmantes: 9% do total de mortes no mundo é causado por trauma e 90% desses pacientes estão em países considerados pouco desenvolvidos. Entre as principais razões de óbito estão acidentes automobilísticos e tentativas de homicídio.

Dr. Paulo Silveira, dra. Maria Fernanda Jimenez, dr. Renato Poggetti e dr. Hélio Vieira

“Um detalhe muito importante no tratamento do trauma é a rapidez com que ele deve acontecer. Quanto mais depressa o paciente for encaminhado para um centro de trauma e receber atendimento especializado, maiores são as chances de sucesso de cura”, explicou a especialista.

As melhorias na abordagem do trauma ao longo dos anos e os ensinamentos vindos dos campos de combate foram trazidos por Kathleen Martin, enfermeira-chefe do Programa de Trauma do Landstuhl Regional Medical Center (LRMC), nos Estados Unidos. Além do manuseio eficiente de bancos de sangue, a experiência em guerras passadas também mostrou novas formas de lidar com queimaduras, choque e intoxicação, que foram adaptadas para centros de traumas em todo o mundo.

Especialistas do HSL falam sobre os cuidados em grupos especiais de pacientes e a necessidade de treinamento continuado

Dr. Paulo Silveira, Kathleen Martin e dr. Hélio Vieira

Além do dr. Paulo Silveira, coordenador do Centro de Trauma do Hospital São Lucas Copacabana, que mediou mesas-redondas sobre a complexidade do trauma no idoso, outros médicos do hospital também compartilharam conhecimento especializado, principalmente sobre as formas de cuidar do paciente politraumatizado. O dr. Marcos Knibel, coordenador do Centro de Ensino e Treinamento, mostrou que é fundamental um treinamento continuado para todos os envolvidos no atendimento ao trauma.

“É muito importante que esses profissionais especializados tenham treinamento mental e capacidade para trabalhar em equipe e participem de simulações realísticas de trauma”, afirma o dr. Knibel.

Já a fisiatra dra. Simone Mello discutiu a importância do pós-atendimento e da reabilitação do paciente traumatizado, para que ele seja plenamente capaz de voltar para sua rotina e recuperar a qualidade de vida.