Últimos Releases

Gravidez após os 40 anos e os tratamentos para ajudar na fertilização

Muitos casais adiam o sonho do primeiro filho e optam por ter após os 40. Uma mulher no seu período fértil tem apenas 20% de chances de mês e, considerando que a quantidade de óvulos produzidos pelas mulheres diminui conforme a idade aumenta, é natural que exista uma dificuldade maior nesse período. A boa notícia é que nada é impossível, pois graças ao avanço da medicina existem tratamentos eficazes que ajudam os casais a realizarem o sonho do primeiro filho.

Um casal em que a mulher tem mais de 40 anos deve pensar em infertilidade após seis meses de tentativas regulares sem sucesso. O casal deve procurar um médico ginecologista de sua confiança para que sejam realizados os exames que apresentarão o diagnóstico preciso e a partir daí o médico indicará o tratamento mais adequado.

Existem tratamentos mais simples e outros mais complexos e nenhum deles garantem a gravidez, porém as chances de uma mulher com mais de 40 engravidar chegam de 30 a 40%. É importante lembrar que os riscos de uma gravidez mais tarde também aumentam, então é importante que a mulher tenha uma vida saudável para garantir a sua saúde e a do bebê. Por isso que é natural que o médico realize exames básicos de rotina para consultar a sua saúde antes de engravidar.

Tratamentos para a infertilidade

Um dos tratamentos mais simples é o Coito Programado. Através de injeções ou via oral a mulher recebe medicamentos para estimular a produção de óvulos. Como nessa idade o problema pode estar relacionado a produção de óvulos esse tratamento pode ser muito eficaz. Após um período recebendo as medicações o casal é orientado sobre os melhores momentos para realizar a relação sexual.

A Inseminação Artificial é um dos tratamentos mais conhecidos e pode ser realizado de duas formas: inseminação intracervical e intrauterina. Em ambas a mulher recebe medicamentos para estimular a produção de óvulos. Nos dois tipos de inseminação é feito o recolhimento do sêmen a diferença é que na inseminação intracervical o espermatozoide é injetado através de uma seringa na região do cérvix. Já na inseminação intrauterina os espermatozoides passam por um tratamento e através de um cateter são depositados na cavidade uterina da mulher.

Outro tratamento bastante popular é a Fertilização In Vitro (FIV). O tratamento para induzir a produção de óvulos é igual aos tratamentos anteriores a diferença é que o embrião será formado no laboratório após o recolhimento dos óvulos e sêmen do casal. Após a fecundação dos espermatozoides com alguns óvulos os embriões são colocados na cavidade uterina da mulher e após alguns dias é feito o exame de sangue a fim de detectar a gravidez.

Outra opção para a infertilidade é a ovodoação. Como o nome sugere é a doação de óvulos de uma mulher para a outra. Tudo é feito de forma anônima em que a doadora não saberá a identidade da receptora e vice versa. Os óvulos da doadora são preparados e recolhidos para que sejam fecundados com o sêmen do parceiro da receptora em laboratório através da FIV. Após a formação dos embriões a receptora os recebem para que seja gerado em seu útero o bebê. O exame de sangue é feito após alguns dias a fim de detectar a gravidez. Para saber mais sobre a ovodoação clique aqui.

Fonte: Jornal Correio da Cidade