Pluralidade assistencial foi tema da última edição do Visão São Lucas 2017

A estrofe da música “Monte Castelo”, sucesso da década de 1980 com a banda Legião Urbana e imortalizada na voz de Renato Russo – cuja letra é uma alusão à Primeira Epístola de S. Paulo aos Coríntios –, ecoou no Salão Nobre do Hotel Hilton Rio de Janeiro Copacabana, durante o café da manhã da última edição do ano do “Visão São Lucas – Palestras de Excelência Médica”, realizado no dia 10 de novembro.

Com o tema “A Interdisciplinaridade no Cuidado ao Paciente”, os palestrantes convidados Ricardo Cruz, membro titular da Academia Nacional de Medicina, e André Volschan, coordenador de Ensino e Pesquisa do Hospital Pró-Cardíaco, abordaram o adoecer humano como uma condição multifatorial; discorreram sobre a importância da integração das equipes para o cuidado assistencial e a prevalência do amor ao outro como condição sine qua non para atuar na área de saúde.

Ricardo Cruz e André Volschan respondendo às perguntas da plateia durante a quarta edição do Visão São Lucas

Durante a abertura do encontro, o coordenador do evento, o médico Marcos Knibel, destacou o sucesso do Visão São Lucas como já fazendo parte da agenda de eventos dos médicos da cidade. “Ao longo dos encontros promovidos este ano de 2017 tivemos a honra e a alegria de receber mais de 400 amigos para refletir e debater sobre vários temas de extrema relevância e realizar essa sinergia do conhecimento”, enfatizou Knibel.

Entusiasta das diversas formas de arte, como a música e a literatura, dr. Ricardo Cruz, no decorrer da sua palestra, surpreendeu os participantes com uma apresentação recheada de videoclipes como o Legião Urbana interpretando “Monte Castelo”, citado acima; Caetano Veloso e Ivete Sangalo num belo dueto em “Se eu não te amasse tanto assim”; Andrea Bocelli, um tenor italiano que perdeu a visão ainda criança, durante o emocionante show de inauguração do Teatro del Silenzio, em meio às colinas da Toscana em 2006, entre outras referências musicais cuja as formas de amor foram retratadas em belas melodias ou pensamentos.

Público encantado durante palestra e as pertinentes analogias e citações feitas pelo dr. Ricardo Cruz

“Todos os dias devíamos ouvir um pouco de música, ler uma boa poesia, ver um quadro bonito e, se possível, dizer algumas palavras sensatas” (Johann Goethe também citado no decurso da palestra do médico).

Utilizando os conceitos musicais como uma analogia ao cuidado interdisciplinar, dr. Ricardo Cruz, comparou a pluralidade assistencial a uma orquestra, ou melhor, assim como um grupo de músicos – médicos, enfermeiros, técnicos, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogo entre outros profissionais – dirigidos por um maestro, com vários instrumentos musicais, uma composição e uma obra a ser concluída.