Saúde

Entenda o que é endoscopia digestiva alta

endoscopia

Exame é capaz de detectar doenças que afetam o sistema digestivo

Patologias que atingem o sistema digestivo alto podem se tornar mais complexas e de difícil tratamento caso não sejam diagnosticadas de forma precoce, sendo a endoscopia um dos principais exames para sua detecção.

Segundo a equipe médica do Centro de Endoscopia do Centro de Especialidades do Hospital São Lucas Copacabana, trata-se de um exame muito seguro que, de acordo com o resultado, permite a indicação do tratamento mais adequado para o paciente.

Saiba, a seguir, como ele é realizado e para quem está indicado.

Para que serve a endoscopia digestiva alta?

A endoscopia é fundamental no diagnóstico de diversas alterações e doenças. Com ela é possível identificar, por exemplo, a presença de inflamações, como esofagite, gastrite e duodenite; úlceras; sangramentos e estreitamentos. Podem ser feitas também biópsias, para um diagnóstico mais específico de doenças; identificação de lesões pré-cancerosas e cancerosas e verificar a infecção pela Helicobacter pylori, bactéria relacionada a doenças pépticas e alterações crônicas da mucosa gástrica.

A endoscopia também pode ser usada como parte importante no tratamento de várias situações, como controle de hemorragias; resseção de pólipos e tumores em fases iniciais; realização de dilatações e colocação de sondas para alimentação.

Para quais casos é indicado o exame?

A indicação é a critério médico, para confirmar ou afastar o diagnóstico clínico naqueles que não estão respondendo ao tratamento usado, no controle evolutivo de doenças previamente diagnosticadas e com finalidade terapêutica.

Os sinais mais comuns que justificam a realização de uma endoscopia são azia; sintomas de refluxo; dor na parte superior do abdome; sensação de plenitude (como se o estômago estivesse cheio); náuseas; vômitos; dificuldade ou dor para engolir; emagrecimento; anemia e hemorragia. A endoscopia pode ser indicada para o controle e tratamento de úlceras, esofagites, gastrites e da inflamação causada pela H. pylori. Algumas recomendações terapêuticas do exame são os quadros de sangramento ativo do trato gastrointestinal superior, tratamento das varizes do esôfago em pacientes com cirrose ou hipertensão portal de outras causas e remoção de corpo estranho impactado, além das já previamente mencionadas.

Como é feito o exame?

O preparo necessário é jejum de oito horas. A endoscopia se dá com o paciente deitado sobre o lado esquerdo enquanto uma veia do braço é puncionada para a administração de medicamentos para promover uma sedação leve. Um anestésico local é borrifado na garganta. Um protetor bucal de plástico é posicionado entre os dentes do paciente, para permitir a passagem do aparelho. Durante o exame, são monitorados as frequências cardíaca e respiratória e o nível de oxigenação.

O endoscópio é um tubo flexível com um chip que captura todas as imagens do sistema digestivo. Essas imagens são vistas no monitor pelo médico, que as avalia detalhadamente. O exame tem duração média de 10 a 20 minutos e é feito em regime ambulatorial, ou seja, sem necessidade de internação. Após o exame, quando já acordado, o paciente pode voltar para casa.

Centro de Endoscopia do Hospital São Lucas Copacabana

No Centro de Endoscopia do Hospital São Lucas Copacabana (HSL) o paciente pode contar com alta tecnologia, conforto e agilidade em um ambiente confortável e seguro, além de corpo clínico nomeado e equipe multidisciplinar especializada.

Para obter informações adicionais, o contato pode ser feito direto no local ou pelo telefone (21) 2545-4000, opção 1.

Sobre o autor

Equipe São Lucas

Equipe São Lucas

Deixe um comentário