Logo

Cardiologia

3 minutos de leitura

Fibrilação ventricular: causas, sintomas e diagnóstico

A fibrilação ventricular é um tipo de arritmia cardíaca que requer atendimento imediato
AW
Dr. Andre Weksler - Cardiologista - MédicoAtualizado em 17/01/2024
Fibrilação ventricular: causas, sintomas e diagnóstico

Existem diferentes tipos de **arritmias cardíacas ** — ou seja, condições nas quais há alteração no ritmo das batidas do coração. Uma delas é a fibrilação ventricular.

O que é fibrilação ventricular?

A fibrilação ventricular é a mais grave das arritmias cardíacas. Como o nome sugere, ela está relacionada aos ventrículos (câmaras inferiores do coração), que normalmente realizam contrações para manter a circulação sanguínea.

Na fibrilação ventricular, os ventrículos sofrem tremores em vez de se contraírem, o que impede o bombeamento de sangue para o corpo.

Essa condição é uma emergência médica, pois pode rapidamente evoluir para uma parada cardíaca. Inclusive, devido ao risco de morte, a fibrilação ventricular é classificada como uma arritmia maligna.

Também é importante diferenciá-la da fibrilação atrial, que atinge os átrios (câmaras superiores do coração) e, embora possa causar danos, não é considerada maligna.

O que pode causar fibrilação ventricular?

A fibrilação ventricular é causada por um problema nos estímulos elétricos direcionados ao coração. Geralmente, isso ocorre em pessoas que têm alguma doença cardíaca.

Esse quadro ocorre principalmente em pacientes portadores de:

  • Miocardiopatias;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Doenças orovalvares (na válvula do coração).

A fibrilação ventricular também é mais prevalente em usuários de drogas, principalmente cocaína e anfetamina.

Quais são os sintomas de fibrilação ventricular?

O principal sinal da fibrilação ventricular é a parada cardiorrespiratória, caracterizada por: colapso repentino, perda de consciência, ausência de respiração e ausência de pulso.

No início da arritmia, também é possível que o paciente apresente dor no peito, falta de ar e desfalecimento. No entanto, essas manifestações tendem a desaparecer em um curto período de tempo, dando lugar à parada cardíaca.

Como é o diagnóstico?

O diagnóstico de fibrilação ventricular é feito por meio do eletrocardiograma, exame que capta o ritmo dos batimentos cardíacos e a atividade elétrica do órgão. .

Como é o tratamento?

O atendimento a pessoas com fibrilação ventricular deve ser imediato, uma vez que o quadro pode evoluir rapidamente para uma parada cardíaca.

O tratamento inicial, realizado na fase aguda, é a desfibrilação — um choque cujo objetivo é reverter a fibrilação ventricular.

Esse procedimento é feito com o desfibrilador, um aparelho disponível em hospitais, ambulâncias e locais que recebem um público grande (como estádios, aeroportos e museus).

Se o indivíduo não for socorrido em um hospital, é importante encaminhá-lo para um. Além de existir a possibilidade de a fibrilação ventricular ser uma manifestação inicial de infarto, é necessário realizar investigações para avaliar se a pessoa é portadora de algum problema cardiológico.

O tratamento mais definitivo depende do diagnóstico. Em alguns casos, pode-se recomendar o uso do desfibrilador implantável, um dispositivo capaz de dar um choque interno no coração e, assim, salvar o paciente caso ele volte a apresentar a fibrilação ventricular em outros momentos.

Como saber se devo procurar um médico?

Os portadores de condições como miocardiopatias, insuficiência cardíaca e doenças orovalvares (na válvula do coração) apresentam uma maior propensão ao problema, mas isso não significa que necessariamente terão um episódio de fibrilação ventricular.

Se o paciente passar por essa emergência, o médico pode avaliar o caso e, eventualmente, recomendar o uso de desfibrilador implantável no intuito de prevenir futuros episódios.

Se você suspeita que é portador/a de uma condição cardíaca, agende uma consulta com um cardiologista.

Agendar consulta

Escrito por
AW

Dr. Andre Weksler

Cardiologista | Médico

Artigos Relacionados

Angioplastia: o que é, quais são os tipos, para que é indicada e como se dá a recuperação

Cardiologia

4 min

Angioplastia: o que é, quais são os tipos, para que é indicada e como se dá a recuperação

Cateterismo cardíaco: o que é, quando realizar o exame e como é feito?

Cardiologia

4 min

Cateterismo cardíaco: o que é, quando realizar o exame e como é feito?

​É bastante provável que você já tenha ouvido a palavra cateterismo em algum momento, mas você sabe o que é isso? Entenda.
Ergoespirometria: o que é e como é feito o teste cardiopulmonar de exercício?

Cardiologia

5 min

Ergoespirometria: o que é e como é feito o teste cardiopulmonar de exercício?

Exame realizado em esteira ou bicicleta ergométrica avalia possíveis alterações cardíacas
Dor no tórax: o que é, causas, como identificá-la e tratá-la?

Cardiologia

4 min

Dor no tórax: o que é, causas, como identificá-la e tratá-la?

Ver mais artigos
Escrito por
AW

Dr. Andre Weksler

Cardiologista | Médico