Logo

Cardiologia

2 minutos de leitura

Ficar muito tempo parado pode causar trombose venosa

Conheça os principais sintomas e as formas de detecção e prevenção da doença
AR
Dr. Alexandre Rouge - Cardiologista - MédicoAtualizado em 12/01/2024
Ficar muito tempo parado pode causar trombose venosa

​É comum ouvir as pessoas mais velhas dizerem que ficar muito tempo parado faz mal para as pernas, e elas estão certas. Além de interferir no fluxo sanguíneo e promover o surgimento de varizes, a inatividade por períodos prolongados também pode abrir caminho para outra doença: a trombose venosa profunda.

Segundo o dr. Alexandre Rouge, coordenador da Cardiologia do Hospital São Lucas Copacabana, ela é causada pela formação de trombos – ou coágulos – nas veias profundas. Na maioria dos casos eles surgem na panturrilha, mas também podem aparecer nas coxas e, em casos raros, em outros vasos. A doença pode ficar ainda mais séria quando esse coágulo se desprende e vai para o pulmão – é o que causa a embolia pulmonar, que pode levar à morte.

_“Outra situação de risco é quando acontece dano nas válvulas que ficam no interior das veias, cuja função é levar o sangue venoso para o coração. Essa condição é chamada de insuficiência venosa crônica ou síndrome pós-flebítica”, _ explica o especialista.

A principal causa da trombose venosa é ficar tempo demais parado em uma mesma posição, seja ela qual for. Assim, ela tornou-se um quadro frequente entre pacientes que precisam ficar de cama por muito tempo, imobilizados, após cirurgias, fraturas com imobilização e viagens longas – como em pessoas que fazem voos prolongados com frequência. A má notícia é que essa doença praticamente não tem sintomas, apenas quando atinge o grau mais preocupante, caracterizando a embolia pulmonar ou a síndrome pós-flebítica.

“Os principais sintomas da trombose venosa profunda são inchaço, rigidez na musculatura do local em que está localizado o coágulo, vermelhidão e sensação de calor na área”, afirma o dr. Rouge. Já a síndrome pós-flebítica causa úlceras, rigidez do tecido subcutâneo e inchaço. No quadro de embolia pulmonar quadros de falta de ar, insuficiência respiratória ou mesmo choque circulatório com parada cardíaca podem surgir.

Existem diversos fatores relacionados com o aumento do risco de trombose, como idade avançada, obesidade, dificuldade para caminhar, fumo, uso de anticoncepcionais, , gravidez ou período pós-parto, assim como já ser portador de alguma doença que predisponha a formação de coágulos – as chamadas trombofilias.

A melhor forma de prevenir a trombose venosa é fazer exercícios físicos regulares, ter uma alimentação prioritariamente saudável, não ingerir muita bebida alcoólica, não fumar e movimentar-se sempre que houver oportunidade. Em caso de voos longos, mexer-se durante a viagem, mover as pernas com frequência e ingerir bastante líquido é mandatório; para pessoas com maior risco de desenvolver a doença, o uso de meias elásticas é indicado. Em alguns casos, com a orientação de um especialista, o paciente pode precisar de medicamentos específicos.

Agendar consulta

Escrito por
AR

Dr. Alexandre Rouge

Cardiologista | Médico

Artigos Relacionados

Angioplastia: o que é, quais são os tipos, para que é indicada e como se dá a recuperação

Cardiologia

4 min

Angioplastia: o que é, quais são os tipos, para que é indicada e como se dá a recuperação

Cateterismo cardíaco: o que é, quando realizar o exame e como é feito?

Cardiologia

4 min

Cateterismo cardíaco: o que é, quando realizar o exame e como é feito?

​É bastante provável que você já tenha ouvido a palavra cateterismo em algum momento, mas você sabe o que é isso? Entenda.
Ergoespirometria: o que é e como é feito o teste cardiopulmonar de exercício?

Cardiologia

5 min

Ergoespirometria: o que é e como é feito o teste cardiopulmonar de exercício?

Exame realizado em esteira ou bicicleta ergométrica avalia possíveis alterações cardíacas
Dor no tórax: o que é, causas, como identificá-la e tratá-la?

Cardiologia

4 min

Dor no tórax: o que é, causas, como identificá-la e tratá-la?

Ver mais artigos
Escrito por
AR

Dr. Alexandre Rouge

Cardiologista | Médico