Logo

Cardiologia

4 minutos de leitura

Miocardite: saiba o que é, quais são os sintomas e como é feito o diagnóstico

Em alguns casos mais graves, a doença pode evoluir para insuficiência cardíaca
FV
Dra. Flávia Verocai - Médica - MédicaAtualizado em 17/01/2024
Miocardite: saiba o que é, quais são os sintomas e como é feito o diagnóstico

O coração é um órgão extremamente importante para o funcionamento do organismo como um todo e, para isso, conta com uma estrutura complexa constituída por átrios, ventrículos, veias, artérias, válvulas, aorta, pericárdio e miocárdio. Convidamos a Dra. Flávia Verocai, cardiologista do Hospital São Lucas Copacabana, para falar sobre miocardite, alteração que atinge o músculo cardíaco.

O que é miocardite?

Na área médica, quando o nome de um quadro termina com o sufixo “ite" é sinal de que estamos falando de uma inflamação. Sendo assim, a miocardite é uma inflamação no miocárdio que provoca danos ao tecido muscular que constitui a parede do coração.

Quais são as causas da condição?

Frequentemente, a miocardite está associada a vírus respiratórios, bactérias, fungos e alguns parasitas como Trypanosoma cruzi (causador da doença de Chagas) e toxoplasma (encontrado nas fezes dos gatos). Outras causas incluem:

  • Doenças autoimunes;
  • Condições gastrointestinais;
  • Alterações na tireoide;
  • Abuso de álcool e drogas;
  • Quimioterapia e imunoterápicos.

“Além dos agentes convencionais, muitos pacientes têm apresentado miocardite relacionada com a Covid-19", complementa a especialista.

Ainda segundo a Dra. Flávia, é possível evitar a contaminação com medidas simples, como evitar contato com pessoas com quadros virais, lavar as mãos regularmente e tomar as devidas vacinas.

Quais são os sintomas da miocardite?

Visto que a miocardite pode ser consequência de diversas disfunções, é comum que seus sinais variem de uma pessoa para outra. De modo geral, os sintomas mais comuns são semelhantes aos de outras doenças do coração, como:

  • Dor no corpo;
  • Febre;
  • Falta de ar;
  • Dor no peito;
  • Fadiga;
  • Palpitação;
  • Tontura;
  • Inchaço nos membros inferiores.

Como é feito o diagnóstico?

Para identificar a miocardite, o médico ouve o relato do paciente – um processo chamado anamnese –, em que são informados os sintomas, sua intensidade e há quanto tempo eles começaram, por exemplo. O cardiologista também realiza um exame físico para avaliar o estado de saúde do paciente, pensar em possíveis causas e dimensionar a gravidade do caso.

Avaliações complementares, como hemograma e exames de imagem, também podem ser solicitadas para apoiar o profissional na busca pelo diagnóstico da miocardite.

“As consultas de rotina são a melhor forma de prevenir problemas ou detectá-los no início e evitar que evoluam. Por isso, sempre que notar alguma anormalidade, informe seu médico", orienta a profissional.

A miocardite tem cura?

Infelizmente, não há cura, nem tratamento específico para a miocardite. Entretanto, é possível intervir nas doenças que possam contribuir para o agravamento do quadro.

Como é o tratamento?

Muitos pacientes apresentam melhora espontânea no fim do período de infecção. Porém, isso não significa que eles não devam ser acompanhados por um médico, pois, além de ser necessário adotar cuidados específicos, a doença pode avançar e até levar o paciente ao óbito.

O tratamento da miocardite é focado na causa e nos sintomas da condição, como insuficiência cardíaca, por exemplo. A depender do quadro, o cardiologista indica medicamentos que podem ter função vasodilatadora, diurética e bloqueadora para enfermidades que evoluem com insuficiência cardíaca. O tratamento específico de doenças como o lúpus pode auxiliar a reduzir a inflamação do miocárdio.

“Na maioria das vezes, a miocardite regride espontaneamente. Alguns pacientes podem necessitar de medicamentos por alguns meses e ter o retrocesso completo da inflamação, enquanto outros podem permanecer com algum dano definitivo no músculo e necessitar de medicações para insuficiência cardíaca por tempo indeterminado. Raros são os casos que desenvolvem insuficiência grave ao ponto de o paciente precisar de medicamentos intravenosos, dispositivos que melhorem a circulação e tirem a sobrecarga do coração e, mais raramente ainda, transplante cardíaco", afirma a Dra. Flávia.

Cardiologia no Hospital São Lucas Copacabana: atendimento com conforto e segurança no coração do Rio de Janeiro A cardiologia é um dos principais focos de atuação do Centro Médico São Lucas. O espaço – conduzido por uma equipe multidisciplinar especializada em diversas áreas cardiovasculares – une conforto, tecnologia e segurança para oferecer ao paciente uma experiência médica de excelência em quadros de baixa e alta complexidade.

  • Acompanhamento cardio-oncológico
  • Acompanhamento para pacientes cardiopatas
  • Arritmia e eletrofisiologia
  • Avaliação de anestesiologista
  • Avaliação de fisioterapia
  • Avaliação de miocardiopatias
  • Avaliação para cirurgias cardíacas
  • Avaliação para procedimentos de hemodinâmica
  • Avaliação para transplante cardíaco
  • Cardiopatia estrutural
  • Cirurgia vascular
  • Doenças coronarianas
  • Doenças orovalvares
  • Insuficiência cardíaca
  • Prevenção cardiovascular
  • Risco cirúrgico
  • Exames especializados
  • Ecocardiograma transtorácico
  • Eletrocardiograma (incluído na consulta)
  • Holter digital
  • MAPA (monitorização ambulatorial da pressão arterial)
  • Teste cardiopulmonar e ergométrico.
  • Ultrassom vascular (arterial e venoso).

Além do acompanhamento especializado, com equipe multidisciplinar, incluindo nutricionistas e psicólogos, também há a possibilidade de interação entre cardiologistas, oncologistas e cirurgiões para avaliação de pacientes e casos específicos.

Unidade Cardiointensiva do Hospital São Lucas Copacabana No hospital, a Unidade Cardiointensiva é especializada no acolhimento de pacientes com problemas cardiológicos que precisam de observação intensiva, portadores de síndrome coronária aguda ou recém-operados de cirurgia cardíaca e vascular. Aqui, o paciente de alta complexidade é amparado pelo que há de melhor em tecnologia para monitorização e realização de exames e procedimentos. Seus 21 leitos são individuais e projetados para oferecer segurança, comodidade e privacidade aos pacientes.

O paciente cardiopata encontra, no Hospital São Lucas Copacabana, procedimentos diagnósticos e terapêuticos de ponta para casos de baixa e alta complexidade. Para mais informações, consulte nossos canais de atendimento.

Agendar Consulta

Escrito por
FV

Dra. Flávia Verocai

Médica | Médica
Coordenadora da Unidade Cardiointensiva do Hospital São Lucas Copacabana

Artigos Relacionados

Angioplastia: o que é, quais são os tipos, para que é indicada e como se dá a recuperação

Cardiologia

4 min

Angioplastia: o que é, quais são os tipos, para que é indicada e como se dá a recuperação

Cateterismo cardíaco: o que é, quando realizar o exame e como é feito?

Cardiologia

4 min

Cateterismo cardíaco: o que é, quando realizar o exame e como é feito?

​É bastante provável que você já tenha ouvido a palavra cateterismo em algum momento, mas você sabe o que é isso? Entenda.
Ergoespirometria: o que é e como é feito o teste cardiopulmonar de exercício?

Cardiologia

5 min

Ergoespirometria: o que é e como é feito o teste cardiopulmonar de exercício?

Exame realizado em esteira ou bicicleta ergométrica avalia possíveis alterações cardíacas
Dor no tórax: o que é, causas, como identificá-la e tratá-la?

Cardiologia

4 min

Dor no tórax: o que é, causas, como identificá-la e tratá-la?

Ver mais artigos
Escrito por
FV

Dra. Flávia Verocai

Médica | Médica
Coordenadora da Unidade Cardiointensiva do Hospital São Lucas Copacabana