Saúde

O que é aneurisma de aorta e por que ele é tão perigoso?

Condição silenciosa não apresenta sintomas na fase inicial e pode evoluir rapidamente

Os aneurismas podem ocorrer em qualquer artéria do corpo e se caracterizam pela dilatação segmentar das paredes arteriais, com o alargamento de seu diâmetro. Em geral, é uma condição silenciosa, com poucos sintomas relacionados, mas que pode evoluir para o rompimento da artéria. Quando isso ocorre, existe alta chance de mortalidade.

Segundo o dr. Felipe Murad, coordenador da cirurgia vascular do Hospital São Lucas Copacabana, a aorta, a artéria mais importante do corpo, é um dos locais em que mais ocorrem aneurismas. Ela se inicia no coração e atravessa o tórax até o abdômen, perto do umbigo, onde se divide nas artérias ilíacas, que direcionam o fluxo sanguíneo para os membros inferiores.

Os aneurismas aórticos podem ocorrer em qualquer local, entretanto, a área mais frequente é a aorta abdominal, cuja incidência é de cerca de 50 novos casos para cada mil habitantes. O dr. Felipe explica que a grande maioria dos aneurismas aórticos é degenerativa, ou seja, está relacionada com o envelhecimento e enfraquecimento da parede da artéria. Apesar de mais frequente nos homens, as mulheres também são vítimas da doença.

“O perfil genético de alguns pacientes parece favorecer o desenvolvimento de aneurismas, já tendo sido identificados alguns genes que aumentam essas chances. Além disso, o tabagismo, a dislipidemia e a hipertensão arterial potencializam a evolução e o crescimento dos aneurismas”, explica o médico.

Outras condições mais raras também estão relacionadas com o surgimento de aneurismas, como válvula aórtica bicúspide, síndrome de Marfan, síndrome de Ehlers-Danlos, síndrome de Loeys-Dietz, aortites infeciosas, aneurismas inflamatórios e outros. Segundo o dr. Felipe, a maioria dos pacientes é assintomática até o dia que rompe o aneurisma, que é uma situação de alto risco. O ideal é operar o aneurisma antes de ele se romper, porém, não são todos os casos que devem ser operados, uma vez que o risco de rompimento está relacionado com o tamanho do aneurisma.

“Todo paciente com aneurisma aórtico deve procurar um especialista para avaliação da indicação cirúrgica e acompanhamento. Hoje é possível curar a maior parte dos casos por técnica minimamente invasiva, o que permite o tratamento efetivo apenas por meio de pequenos cortes na região inguinal, com rápida recuperação pós-operatória”, afirma o especialista.

O dr. Felipe lembra ainda que a prevenção do aneurisma da aorta abdominal se dá por meio do acompanhamento do médico de confiança e pela realização de exames específicos, o que também diminui as chances de diagnóstico em fase avançada.

Deixe um comentário