Comportamento

Conheça a brincadeira que coloca a saúde em risco

Jogos que ganham popularidade na internet podem causar danos cerebrais e morte

Uma brincadeira perigosa está colocando em risco a saúde de jovens e adultos no país. Chamado de “roleta-russa humana”, “desafio da rasteira” ou “desafio do quebra-crânio”, o jogo tirou a vida de uma adolescente de 16 anos em Mossoró, no Rio Grande do Norte. Enquanto brincava com mais duas pessoas, Emanuele Medeiros da Costa caiu, bateu a cabeça e sofreu traumatismo craniano encefálico, não resistindo aos ferimentos.

Segundo o dr. Paulo Silveira, coordenador do Centro de Trauma do Hospital São Lucas Copacabana, essa brincadeira pode trazer sérios riscos à saúde, mesmo que a pessoa não bata com a cabeça. O perigo permanece porque a queda pode resultar em traumas, deslocamentos e até mesmo em fraturas sérias que podem causar, entre outras lesões graves, a tetraplegia.

“Essa brincadeira envolve duas pessoas que se posicionam nas laterais de uma terceira pessoa. Quem está no meio começa a pular e as pessoas ao lado dão rasteiras, tentando derrubar quem pula. Muitas coisas podem dar errado nesse movimento e as chances de a pessoa sofrer um traumatismo craniano e outros tipos de fratura igualmente preocupantes é real”, afirma o médico.

O jogo ganhou popularidade por meio de vídeos postados na internet, mas não é o único. Os chamados “desafios”, compartilhados nas redes sociais e que costumam envolver um grande número de pessoas, também podem ser de grande risco à saúde. Um exemplo é o desafio do mata-leão, uma técnica em que uma pessoa aplica pressão ao envolver o pescoço de outra com os braços, aplicando o golpe conhecido como mata-leão e fazendo com que a “vítima” perca a consciência.

“Muitas pessoas podem achar essas brincadeiras inofensivas, mas elas podem causar danos neurológicos graves e até mesmo a morte”, explica o dr. Paulo.

Sobre o autor

Dr. Paulo Silveira

Dr. Paulo Silveira

Coordenador do Centro de Trauma do Hospital São Lucas Copacabana
Paulo Silveira é coordenador do Centro de Trauma do Hospital São Lucas Copacabana. Médico-cirurgião formado pela Faculdade de Medicina de Valença (RJ), foi presidente da Sociedade de Cirurgia do Trauma (SBAIT) entre 2015 e 2017.

Deixe um comentário